terça-feira, 17 de novembro de 2015

"O Navegador da Passagem" - Deana Barroqueiro


Um dos livros que li durante esta minha ausência, foi este "O Navegador da Passagem" de Deana Barroqueiro.
Neste livro a autora dá-nos a conhecer um dos maiores "navegadores" Portugueses, Bartolomeu Dias e numa mistura de ficção com realidade conta-nos de uma forma envolvente e agradável dois dos maiores acontecimentos da saga dos "Descobrimentos Portugueses"; a "Dobra" do Cabo da Boa Esperança, que abriu caminho à posterior ida à Índia por Vasco da Gama e o "achamento" do Brasil por Álvares Cabral, dois acontecimentos nos quais Bartolomeu Dias esteve envolvido directamente, principalmente na "Dobra" do Cabo da Boa Esperança.
A estória em si inicia-se com Bartolomeu Dias, que comandava um dos navios que fazia parte da armada de Álvares Cabral, já depois de descoberto o Brasil e no regresso da ida à Índia, justamente na área do Cabo da Boa Esperança vê um cometa e isso traz-lhe um pressentimento desagradável e ao mesmo tempo faz recordar-se das suas anteriores viagens.
A partir daqui a autora através das memórias de Bartolomeu Dias inicia a acção, cruzando as recordações da viagem de descoberta do "Cabo" que tanto marcou Bartolomeu Dias, devido aos infortúnios próprios das viagens de descoberta da época, doenças, conflitos entre a guarnição, conflitos com os nativos, tempestades, acidentes, mas também devido a uma missão que D. João III lhe incumbiu para levar a cabo durante a viagem, que muito o vai transtornar, com a descoberta do Brasil e os dias lá passados com os nativos.
Neste livro para além da parte ficcional, também a parte histórica é excelente e isso advém da experiência e conhecimentos da autora, que para além de ser licenciada em Filologia Românica é igualmente uma especialista nesta época história de Portugal, chegando a trabalhar em comissões de comemoração dos Descobrimentos Portugueses e todo esse conhecimento e experiência vai-se notando ao longo do livro em que todos os acontecimentos históricos relevantes são parte da acção, como por exemplo o reinado de D. João III, a controversa subida ao trono de D. Manuel I, as intrigas na corte, os casamentos e acordos entre Portugal e Castela, toda a situação geo-política da Europa na época, mas também a parte social, o povo e principalmente a vida a bordo tão bem descrita pela autora.
Foi o primeiro livro que li desta autora e gostei bastante, recomendo vivamente principalmente para quem se interessa por esta época áurea de Portugal.

4 comentários:

Pedrita disse...

nossa, não conhecia, parece muito interessante. beijos, pedrita

DEANA BARROQUEIRO disse...

Muito obrigada pela sua crítica tão elogiosa, caro Nuno, que li com muito prazer. É tão gratificante saber que um leitor gostou do meu trabalho a ponto de recomendar o meu livro aos seus amigos. Bem haja!
Gostaria de corrigir apenas uma coisa: Bartolomeu Dias nunca chegou a ir à Índia, ele morreu num naufrágio, depois do achamento do Brasil, junto ao Cabo da Boa Esperança, devido a uma tempestade que desbaratou a armada e engoliu 5 navios.

Da sua autora muito grata
Deana Barroqueiro

nuno martins disse...

Muito obrigado eu, é um privilégio para mim quando um autor de um livro lê a minha opinião e fica agradado com ela, não sou nenhum crítico literário, nem tenho aspiração a ser, apenas gosto muito de ler e gosto que outras pessoas também leiam, e esse é o objetivo primordial deste blogue.
Foi o primeiro livro seu que li gostei bastante, esta época da História de Portugal e os Descobrimentos em si atraem-me bastante e tento ler tudo o que consigo sobre o assunto e este livro foi uma forma muito agradável de aprender mais sobre esse assunto.
Em relação à morte de Bartolomeu Dias, estava mesmo convencido que a tempestade e o naufrágio tinha sido no regresso a Portugal, obrigado pela correção.
Entretanto já tenho o "Corsário dos Setes Mares" para ler.
Mais uma vez obrigado pela visita e pelo comentário.
Nuno

DEANA BARROQUEIRO disse...

Eu não escrevo a pensar em críticos literários, caro Nuno, eu escrevo para leitores que gostam de algo mais do que a chamada "literatura light" ou "escrita jornalística".
Fico sempre grata quando leio uma crítica a um dos meus romances, porque a editora Leya não faz promoção aos seus autores, salvo raras excepções. São os meus leitores que me promovem e isso é a minha maior satisfação, porque é sinal que gostam da minha escrita. Como podia deixar de lhe agradecer? Demorei um pouco, porque só faço de tempos a tempos o "passeio" pela internet em busca do meu nome. Já pus o seu comentário na página do livro no Facebook, espero que não se importe: https://www.facebook.com/O-Navegador-da-Passagem-191020087596904/
Quanto a O Corsário dos Sete Mares´- Fernão Mendes Pinto, foi o meu livro mais difícil. levei quase 4 anos com ele (além dos quase trinta que tenho de estudo destes períodos). Também tem uma página de Facebook com algumas curiosidades:https://www.facebook.com/OCorsarioDosSeteMares/?ref=ts&fref=ts
Bom Ano, caro amigo
Um grande abraço
Deana Barroqueiro